segunda-feira, 21 de julho de 2008

Parque Nacional de Timanfaya

Parque Nacional de Timanfaya é a mais densa região vulcânica das Canárias.Um deserto negro, cuja carga mítica se adensa quando os reflexos do sol o mesclam com os tons quentes e vermelhos da terra queimada, é tudo quanto, ao longe, se vê de Timanfaya.As montanhas de fogo de Timanfaya são a apoteose de toda a paisagem vulcânica que caracteriza Lanzarote, a ilha mais oriental das sete que constituem o arquipélago das Canárias (Lanzarote, La Palma, Tenerife, Gran Canaria, Fuerteventura, La Gomera e El Hierro), cuja capital é Arrecife. Constituídas por crateras e picos, torrentes de escórias e superfícies de lava negra, simbolizam um dos mais fascinantes e assustadores fenómenos da Natureza. As erupções vulcânicas, maioritariamente ocorridas no século xviii (1730-1736), marcaram profundamente o aspecto de Lanzarote. Ainda hoje proliferam os relatos, transmitidos de geração em geração (e sabiamente reproduzidos pelos guias turísticos), sobre as trágicas noites vividas na ilha.A força do vulcãoConta-se que a 1 de Setembro de 1730, entre as nove e as dez da noite, se terá escutado um estrondo dilacerante que sacudiu a ilha em toda a sua extensão. A terra abriu-se em profundas fendas e delas elevaram-se colunas de fogo e lava de centenas de metros. Um terrível fumo cor de enxofre, cinzas e tenebrosas línguas de lava irromperam da terra. No início de 1932 as erupções alcançaram tal intensidade que os moradores tiveram de refugiar-se na Gran Canaria. Os pequenos povoados e a vegetação pereceram em poucos instantes, devastados pelo mar de lava. Tudo ficou literalmente destruído e onde havia verdes vales cultivados abriram-se extensões de cinza e lava. Mais tarde, algumas crateras entrariam novamente em actividade.Actualmente, é ainda esta visão apocalíptica que perpassa aos nossos olhos perante o cenário insólito de Timanfaya. Nos seus 200 quilómetros quadrados de extensão deparamo-nos com todo o género de restos vulcânicos, decorrentes da fúria de mais de 300 crateras a vomitar fogo sobre a terra e o oceano.Além dos autocarros (de 15 em 15 minutos, das 9 às 6 da tarde e no Inverno até às 17 horas), o acesso ao Parque Nacional de Timanfaya pode também ser feito de camelo. Independentemente do meio de transporte eleito, a viagem processa-se por caminhos conquistados ao mar de lava. Chega-se, então, às ditas montanhas de fogo, que se assemelham a um planeta desabitado. Algumas gretas abrem-se no chão, sendo que a apenas alguns centímetros abaixo do solo fervilham temperaturas na ordem dos 400 a 600 graus.Chegados a este ponto da visita, o guia propõe três provas de vulcanismo. A primeira consiste no derramamento de um cubo de gelo ou água, por tubos inseridos a cerca de dez metros de profundidade, e que, em contacto com o interior incandescente, são cuspidos do interior da terra com uma violência tremenda. A segunda implica sentir na própria pele os efeitos da terra quente, que nos é passada para as mãos. É como se fosse uma castanha ou uma batata quente a queimar a pele. O último teste demonstra a facilidade com que o capim arde em contacto com a rocha vulcânica. No El Diablo, o restaurante do parque, utiliza-se, inclusive, o calor libertado pela terra para grelhar os alimentos numa grade montada sobre um forno circular. Esta é apenas uma atracção/espectáculo do restaurante, uma vez que a maior parte da carne levada à mesa é confeccionada com recurso a métodos convencionais, mais céleres.Reserva da BiosferaTimanfaya não se esquece facilmente, tanto mais que a existência desta plataforma vulcânica foi um dos principais argumentos para a consagração da ilha como Reserva da Biosfera. O título foi atribuído pela Unesco em 1993, um ano depois da morte daquele que mais merecia assistir a esse reconhecimento: Cesar Manrique. Foi graças a este pintor, escultor, arquitecto, paisagista e urbanista que a ilha se manteve à margem das grandes correntes de desenvolvimento dos anos 70. Percursor do conceito de desenvolvimento sustentado, um princípio que pondera a salvaguarda das potencialidades naturais e culturais com a evolução económica, Manrique impulsionou os sete principais centros turísticos da ilha.

14 comentários:

EboRâguebi disse...

Queres cheirar o Mar?

M. disse...

Aqui está um exemplo de como a aridez pode ser bela.

O negro vulcânico, o quase silêncio mortal.. lindo

beijo para ti Nuno

Osvaldo disse...

Caro amigo Nuno;
Para uma bela Obra de Arte como a foto, nada melhor que uma boa explanação sobre o tema da mesma e o amigo Nuno oferece-nos um artigo sobre o Parque Natural de Timanfaya de excepcional qualidade.
É um resumo histórico/turistico de nerecer publicação nas revistas do ramo.
Parabéns e um abraço.

Sandra Rocha disse...

Regressaste mais cedo e já estás a mostrar as tuas belas imagens, já fizeste mais do que eu meu amigo :)

Que tons lindos, um local que me transmite uma grande paz bem precisa.

Estou a gostar destas informações é sempre uma mais valia :)

Hugo Gomes disse...

De férias!!
Ficou muito gira Nuno.Abraço

Anónimo disse...

Linda.
Eis o resultado de umas belas ferias. bjs

Eu

Gata Verde disse...

Parece-me que as férias foram boas!

Boa foto amigo...

Patricia disse...

Estoy de regreso tras una larga ausencia y ha sido un verdadero placer volver a disfrutar de tu excelente trabajo, de tus bellas fotografías.

Dejo mis saludos.

Un fortísimo abrazo.

Vieira Calado disse...

Obrigado.
Nada sabia deste assunto.
Cumprimentos

tulipa disse...

OLÁ NUNO

QUE BELA FOTO.
PARABÉNS.

Já estive numa dessas ilhas: Gran Canária.

Um dia ainda gostaria de visitar Tenerife, Fuerteventura e Lanzarote.

Mas, gostaria de ver muitas outras fotos tuas desta recente viagem.
Quando poderá ser?

Beijinhos.

Carla disse...

imagem faulosa acompanhada de um texto bem elucidativo
bijos

JOSÉ NEVES disse...

Um cenário absolutamente fantástico, concerteza umas férias de sonho a nivel fotográfico e não só.

Grande abraço com Amizade.

Fernando Rodrigues disse...

Que belos momentos Nuno

abraço

Luís Miguel Inês disse...

Belíssima imagem cor enquadramento definição e texto explicativo.Um abraço amigo Nuno.

Vitiligo

Photobucket

Deixo aqui um texto enviado de uma amiga que gostaria que lessem e até passarem para outros amigos que possam ter este problema.

Aqui vai o texto:

Numa troca de e-mails surgiu a ideia de criar um local onde os portadores desta doença pudessem trocar testemunhos e experiências. Começaremos pelos nossos testemunhos, pois não temos problemas em assumir, embora seja uma doença que afecte psicologiamente as pessoas. Ela não tem qualquer outro efeito nocivo para além desse.

Penso que todos conseguem perceber o porquê de afectar psicologicamente. Numa Sociedade em que a beleza é Imperatriz, ter a pele cheia de manchas brancas não é agradável.

Ajudem a divulgar e partilhem este blog com quem tem o mesmo problema :) http://vitiligo-derma.blogspot.com/ Espero que esta iniciativa junte pessoas e as faça encontrar mais apoio para não se sentirem sós e desamparadas.

Obrigada a todos e um abraço!

Sandra Marques

BENEFÍCIOS FISCAIS - JUSTIÇA SOCIAL

Blog - Reposição dos Benefícios Fiscais

Eu Nuno de Sousa, tenho uma prima de nome Márcia com 11 anos que ficou deficiente num acidente de viação em que a sua mãe (minha prima faleceu nesse mesmo acidente, já no ano anterior a este acidente o seu pai tinha sido atropelado, neste momento é um ser quase vegetal, dependendo dos seus pais para sobreviver, embora tenho feito alguns progressos). Neste momento a Marcia está numa numa escola especial, mais propriamente na escola C.E.C.D - Centro de Educação para o Cidadão Deficiente, situada em Mira-Sintra (Sintra), onde poderia ficar para toda a sua vida, só que agora tudo se inverteu e como os apoios que o estado dava vão acabar, a escola vai ter de fechar por falta de apoio, ou seja centenas destas crianças vão ficar sem apoio quer na educação quer a nivel de subsistência e ajuda na sua vida futura, onde vão ter de sair desta escola para serem integradas numa qualquer escola normal onde nem professores nem as próprias escolas têm condições para as integrar nas melhores condições, a minha prima nem o seu nome sabe escrever, pergunto o que vai ser destas crianças, será isto a que chamamos uma país em vias de desenvolvimento? Ou será que é só um país para alguns?
É uma vergonha o que está a acontecer neste Portugal dos nossos dias, a estas pessoas que nada podem fazer e que ainda por cima são abandonadas por quem devia olhar por elas.
Grandes governantes nós temos.
Tenho vergonha.

Peço desculpa pelo meu desabafo.
Nuno de Sousa

Amigos, não custa nada. Dois ou três segundos.

-O Governo quer retirar benefícios fiscais às pessoas com deficiência.Assine e divulgue a petição do Movimento de Trabalhadores com Deficiência contra esta medida do governo. É só clicar aqui http://www.petitiononline.com/mtpd/petition.html

Passe a mensagem à sua lista de e-mails por favor.

ObrigadoMais informação em:

http://mtpd.blogspot.com/

http://opaisdoburro.blogspot.com/